Review | FIFA 19
29.09
2018
Review | FIFA 19

FIFA 19 já está entre nós! O novo jogo da Eletronic Arts chegou ao mercado brasileiro e mundial trazendo o maior campeonato do mundo, a inigualável UEFA Champions League e algumas mudanças em relação a versão 18. Confira abaixo nossa análise.

 

Joga bonito

O estilo estratégico da principal franquia da Eletronic Arts em sua mais nova versão traz um jogo mais cadenciado e cauteloso, transformando cada passe crucial para um bom resultado em partida. Você precisa de um pouco mais de cuidado com a força, tanto dos passes quanto dos chutes para acertar de forma mais simples, sendo assim necessário sempre mirar até o último segundo antes do passe sair dos pés do seu jogador. A física dos chutes são visivelmente o ponto mais forte de toda a jogabilidade, trazendo um toque mais real e justo em cada lance.

Se os toques são mais elaborados o sistema de defesa também é um grande diferencial desde a versão passada, a inteligência artificial ganhou um upgrade de primeira, podendo sem a bola se tornar uma defesa que ninguém passa. Os defensores tendem a se posicionar melhor no campo e deixando pouco espaço para os atacantes.

 

Presta atenção no professor!

Um dos maiores diferenciais fica por conta das táticas dinâmicas, onde antes de começar o jogo você pode escolher como cada jogador se movimento e como o jogo deve fluir dependendo do resultado e você pode escolher variações que você pode mudar no decorrer do jogo sem utilizar o botão de pausar. Essa ferramenta era aquilo que se precisava para tornar o jogo mais tático possível e influência muito depois de entender melhor o seu estilo de jogo.

O foco é mais voltado ao trabalho em equipe, porém a individualidade de cada jogador é notada, principalmente nos grandes jogadores. Cristiano Ronaldo, Messi e Neymar tem um domínio diferentes dos demais, é como se eles atendessem em tempo real cada movimento que você faz com o controle. Os outros jogadores também têm suas individualidades, no qual a suas estatísticas façam todo o sentido no final. Um jogador mais alto e forte sabe como se portar entre os zagueiros, enquanto o menor e rápido consegue abrir espaços sem estar com a bola.

Mesmo a física tendo melhorado muito desde a versão anterior, em alguns lances você pode não ter o chute que gostaria de fazer. Em suas versões anteriores, você precisava pressionar o gatilho direito de trás (R2) para utilizar o chute de chapa/colocado, porém nesta nova versão, até mesmo um chute simples de fora da área que anteriormente sairia como um chute de peito de pé, agora pode sair de chapa e sem força, causando uma grande frustração com o jogador.

Muitas situações acabam se tornando bizarras ao longo do jogo, como por exemplo alguns voleios e bicicletas que você vê frequentemente. Esse tipo de lance se tornando comum em praticamente todos os jogos e talvez essa seja a reposta que a EA traz para a imprevisibilidade do jogo ou talvez a bicicleta de Cristiano Ronaldo tenha impactado esse tipo de ação.

A maior novidade na jogabilidade fica por conta do “Chute Calibrado”. Uma espécie de chute no qual você precisa atingir o momento certo para apertar o botão quando o indicador da barra que aparece em cima do jogador, ficar exatamente no meio. Esse tipo de chute faz com que a bola vá para o gol de forma quase perfeita, mas não garante que você marque. Acaba que isso se torna dispensável, pois não é tão recompensador quanto parece, porém é possível através do menu, você retirar esse tipo de chute.

 

Um grande leque de campeonatos

Trazendo um leque maior de novas ligas e copas, você pode se aventurar em ligas chinesas e em algumas de menos expressões da Europa. Você tem a adição de alguns estádios chineses e é possível jogar com atletas brasileiros que não haviam aparecido no jogo ou que foram esquecidos do grande mercado. A diferença entre os jogadores é absurda.

O cuidado maior fica por conta do cenário europeu, onde você encontra os melhores jogadores e pode participar de divisões menores para transformar o time numa grande potência. Premier League, Bundesliga, La Liga ente outras ganham um charme especial em cada campeonato. Através do ambiente personalizado de cada país, você pode diferencia-las visualmente pelo fato da iluminação e de algumas peculiaridades de cada liga. Um exemplo disso é a Liga Argentina e a MLS que em jogos importantes, você pode encontrar dentro do gramado, confetes jogados pelos torcedores.

 

A Liga que você respeita

A Champions League finalmente encontrou a sua casa. A competição que todos esperavam finalmente chegou nas mãos do FIFA que faz um trabalho incrível trazendo a atmosfera digna do espetáculo. A entrada dos jogadores, os mosaicos que as torcidas fazem são elementos da vida real trazida para o jogo. Nem mesmo o concorrente PES conseguiu transferir para o jogo a totalidade de detalhes que o FIFA trás em sua primeira vez.

Infelizmente a América Latina não ganhou um cuidado maior e os grandes times que fazem parte do continente em sua maioria são genéricos. A liga do Brasil sem os maiores times brasileiros e seus jogadores se torna completamente dispensável e que só serve mesmo para você utilizar o uniforme no Ultimate Team. Times argentinos com Boca Juniors e River Plate trazem uniformes e nomes da entidade genérico. Ainda assim, essa ainda não é a parte mais triste dessa história.

A seleção brasileira no jogo é feita de jogadores genéricos, mesmo que seu uniforme e símbolo sejam oficiais. O pior caso fica por conta da seleção feminina que lamentavelmente é toda genérica. A melhor jogadora do mundo (Martha) não faz parte do jogo por conta desse tipo de acordo bizarro com a própria CBF. Não sabemos exatamente quem é o grande interessado nisso, sendo que a seleção feminina é tão importante no cenário mundial.

 

Gráficos tão bonitos quanto os lances de Cristiano Ronaldo

O ponto mais alto do FIFA 19 fica por conta dos seus gráficos aprimorados e detalhados dos jogares e uniformes. Essa nova versão traz jogadores expressando melhor seus sentimentos, trazendo à tona a emoção de um gol ou de uma falta dura nos jogadores. A Anatomia humana é bem mais trabalhada do que as outras versões, pois em um simples zoom você pode ver uma veia saltando da perna em um chute mais forte, ou um grito entalado de gol nos últimos minutos do jogo.

As mudanças de rotas, os domínios e em sua forma de correr e praticar os dribles em seus adversários são coisas que fazem os olhos saltarem. Nessa questão ele trata de um realismo sem igual e por isso é necessário ter muita cautela na transição de jogadas e de se movimentar da maneira correta pois o jogo não responder ao comando exato se você não estiver bem posicionado para fazê-lo.

A iluminação era algo muito criticado em outros jogos e é um ponto em que a EA vem melhorando através do tempo. O que vemos em FIFA 19 é uma iluminação melhor, um campo mais vivo e um ambiente mais real dependendo do tipo de competição. Na Champions League temos um tom mais azul escuro, na Europa League vemos um tom mais alaranjado e na Premier League temos um tom azul claro. Somando isso aos detalhes temos uma precisão nunca vista antes em cada tipo de competição.

 

Muitas formas de se jogar!

Pouca coisa mudou do FIFA 18 para o FIFA 19 em relação ao modo treinar e jogador. Os menus foram remodelados e isso é a única mudança que temos entre as versões. Mesmo não precisando de muitos reparos ou mudanças, algumas coisas como as transações poderiam ter recebido um cuidado maior. As faces e estilos de roupas dos técnicos são os mesmos e não houve nenhum tipo de adição nesse quesito, o que deixa o jogador que curte esse tipo de modo frustrado.

A EA se preocupou mais com o tipo de diversão que você pode ter no FIFA 19. A reformulação do Jogo rápido, além de trazerem amistosos você tem vários tipos de partida. O modo sobrevivência que é um jogo onde a cada gol marcado, um jogador do seu time é expulso aleatoriamente e você precisa “se virar” para conseguir ganhar a partida. O modo “Vale tudo” onde a porrada come solta sem nenhum tipo de regra. Esses são os modos que mais se destacam, mas existem outros como o “De Fora Vale 2” em que qualquer gol marcado dentro da área vale como um. Gols marcados de fora da área valem dois,

Claramente não há regras! Desrespeitando até a “Lei de Gil”

Quem Fizer Ganha” onde você estabelece uma condição de vitória personalizada, “Cabeceios e Voleios” que só é possível marcar gols de cabeça ou com voleios nesse tipo de partida. Faltas e pênaltis também contam, mas gols marcados usando o pé, com exceção dos voleios, não valerão. Outro que ganha muito destaque é o modo “Finais de Copas” em que você joga sua partida como se fosse uma final de copa da vida real, incluindo as finais da Champions League, Europa League, FA Cup, entre outras. Uniformes, emblemas e bolas oficiais, além de gráficos de transmissão autênticos (para alguns torneios) oferecem uma verdadeira experiência de final de copa.

Já o modo jornada traz a opção de escolher entre 03 histórias diferentes, no qual você pode optar por seguir somente uma ou finalizar as três, o capítulo final da jornada de Alex Hunter e sua ascensão no mundo da bola, sua irmã Kim Hunter tentando deixar uma marca na história do futebol feminino e Danny Williams na busca de voltar aos grandes holofotes.

Graças a possibilidade de jogar com esses personagens salvam o último ano do modo jornada em relação a Alex Hunter, que tem a história mais fraca ente as três. O modo que conseguiu trazer a emoção da ascensão de um jogador promissor não soube o que fazer quando ele chegou no topo. As histórias de Kim e Danny trazem muito mais emoção em seus arcos que fogem um pouco do óbvio. A sua partida mais interessante fica por conta de Jim Junter em um jogo retro, que temos a possibilidade de participar no inicio da jornada.

O modo mais famoso entre a comunidade, o FIFA Ultimate Team ganha boas melhorias que pretende balancear a dificuldade de cada jogador com o modo Division Rivals. A cobiçada Weekend League que comporta os melhores jogadores de FIFA é menos complicada e mais acessível, fazendo um caminho mais fácil a muitos jogadores que não conseguiram se classificar. Com a precisão que o jogo atingiu, pode atrapalhar aqueles que jogam constante esse modo um pouco mais veloz, sendo que uma oscilação na rede pode definir o resultado do jogo.

 

Conclusão

A licença da UEFA Champions League coroa todo o trabalho em relação aos times europeus e faz justiça a essa grande competição, que é reproduzida de forma espetacular.

O esquecido campeonato brasileiro e os maiores times sul-americanos estão praticamente fora do jogo, mostrando que a falta de cuidado com o continente pode ser irreversível. Isso consegue se tornar pior quando vemos a seleção feminina de futebol com a maior jogador de todos os tempos sendo trocada por jogadoras genéricas.

Os gráficos estão mais optimizados, a mecânica recebendo pequenos ajustes que fazem toda a diferença em uma partida. Por fim, a EA atingiu pode ter atingido o máximo nessa nova versão e desde a versão passada, ela já havia estacionado alguns quesitos que não obtiveram mudanças. Sem dúvidas o FIFA 19 é a melhor simulação que um jogo de futebol poderia ter e através de pequenos ajustes pós-lançamento deve corrigir esses pequenos problemas apresentados.

FIFA 19 tem o estilo de jogo mais cadenciado e se parece exatamente como uma partida de futebol moderna deveria ser. Sua inteligência artificial melhorada e trazendo dinamismo com estratégias pré-estabelecidas antes da partida, torna o jogo ainda mais estratégico.

 

FIFA 19 já está disponível nas plataformas Playstation 4, Xbox One, PC e Nintendo Switch.

Nota: 4/5

Primeiro Batman antes de Bruce Wayne. Extrovertido e sem graça. Uma mistura de piadas ruins e clichês, e um senso de humor gigante para rir delas. Editor chefe do GeekSaw. Apaixonado pela “Bigscreen” e por tudo que é novidade.


GeekSaw • www.geeksaw.com.br
Tema por Gabriela Gomes