Crítica – Meu Malvado Favorito 3
01.07
2017
Crítica – Meu Malvado Favorito 3

Com o lançamento previsto para 30 de Junho, Gru e os Minions retornam a mais uma aventura em Meu Malvado Favorito 3.

Sinopse: O ex-ator mirim e astro de TV, Balthazar Bratt, foi um típico malvado bem-sucedido nos anos 80 e agora está de volta à ativa. Ele vai aterrorizar a vida de Gru, Agnes, Margo, Edith, Dr. Nefario e os atrapalhados Minions. Em meio a tudo isso, Gru também vai encontrar o seu irmão gêmeo, Dru.

Meu Malvado Favorito tornou-se uma animação adorada não somente pelas crianças, mas também pelos adultos. O primeiro filme da série tornou-se inovador ao trazer como protagonista um vilão e seus ajudantes amarelos. O segundo filme tentou seguir o mesmo padrão, mas não conseguiu e acabou não agradando todos seus fãs, mas ainda manteve a alegria da criançada, além de apresentar a agente da liga anti-vilões Lucy. Antes do lançamento do Meu Malvado Favorito 3, ainda tivemos um spin-off no qual os Minions ganharam seu próprio filme contando a história de como conheceram o “melhor” de todos vilões – Gru.

A trama do terceiro filme é bem simples, e mudou um pouco da dinâmica dos filmes anteriores separando os personagens principais em histórias paralelas. Logo no início do filme, somos apresentados ao vilão Balthazar “Evil” Bratt, um ex-ator de TV mirim que fazia um papel de vilão como apresentador em seu programa de TV que foi cancelado após ele tornar-se adolescente. A parte mais interessante desse vilão são as inúmeras referências e “easter eggs” que o filme traz para os adultos, como por exemplo as músicas e passos de dança do Michael Jackson e A-ha, até mesmo a referência a Star Wars com um dos personagens preso na carbonita como Han Solo.

As Meninas fazem parte de uma trama secundária onde traz uma mensagem familiar muito bonita, além de trazer algumas lições sobre crença e decepção na nossa infância. Agnes continua com seus ataques de fofura, Margot chegando na adolescência, e Edith sempre apoiando as duas. Nessa mesma trama vemos a nova esposa de Dru, Lucy, tentando se encaixar no papel de mãe que não é uma tarefa fácil.

Os Minions também possuem sua trama paralela, e apesar de não mostrar o trio que conhecemos e amamos (Kevin, Stuart e Bob), somos apresentando a Mel que inicia uma rebelião porque Dru deixa de ser um vilão. Com seu idioma próprio, eles conseguem arrancar suas risadas, além de fazer uma apresentação musical no estilo do filme Sing. Era esperado que os Minions roubassem a cena devido a importância que foi criada ao seu redor na franquia de Meu Malvado Favorito, porém eles têm sua participação suficiente, talvez até um pouco reduzida, nessa terceira sequência do filme – mas cumprem muito bem o que esperamos.

Gru sofre uma crise de identidade ao descobrir que possui um irmão gêmeo, Dru. São muitas as divergências entre eles, apresentando personalidades completamente diferentes. Tirando os loiros cabelos de Dru, eles são uma cópia exata um do outro. Dru faz eles a entrarem numa jornada para se conhecerem melhor, que levará a trama principal do filme.

A animação é espetacular, e está cada vez mais detalhista. São muitas cenas de ação, mas também tem muita história para contar. Heitor Pereira é responsável pela trilha sonora (Angry Birds: O Filme) que continua agitada e divertida, além de trazer diversos hits dos anos 80 para nostalgia do público mais velho.

A dublagem nacional conta com o retorno de Leandro Hassum (Até que a Sorte nos Separe) interpretando Gru e Dru, originalmente interpretado por Steve Carrel (A Grande Aposta) que deu origem ao vilão que conhecemos. Maria Clara Gueiros (Bolt) retorna como Lucy, e Evandro Mesquita (Os Normais) interpretando o vilão dos anos 80 Balthazar “Evil” Bratt . E as meninas Margo, Edith e Agnes interpretada respectivamente por Bruna Laynes, Ana Elena Bittencourt e Pâmela Rodrigues.

 

Conclusão

A trama do filme é simples e atende o requisito principal de entreter as crianças, porém os adultos ficarão satisfeitos apenas pelas referências nostálgicas aos anos 80. Os Minions ficaram com papel secundário, e aparecem menos em comparação aos outros filmes, mas continuam entretendo. A animação está cada vez mais perfeita e realista, e a trilha sonora é de muito bom gosto com vários hits famosos. As dublagens nesse filme são um diferencial, com ótimas interpretações e adaptação das piadas para nosso público – Leandro Hassum já bastante confortável fazendo Gru.

Meu Malvado Favorito 3 é uma sequência para todos os públicos e imperdível para as crianças nessas férias de Julho.

Nota: 7,5

Primeiro Batman antes de Bruce Wayne. Extrovertido e sem graça. Uma mistura de piadas ruins e clichês, e um senso de humor gigante para rir delas. Editor chefe do GeekSaw. Apaixonado pela "Bigscreen" e por tudo que é novidade.

GeekSaw • www.geeksaw.com.br
Tema por Gabriela Gomes