Review – Bravely Default II (Nintendo Switch)

0
650

Aos fãs da série Bravely (chamou?) e aos que ainda não conheciam, Bravely Default II vem chutando a porta e dizendo: “CHEGUEI!!” Aos que nunca jogaram Bravely, podem ficar tranquilos. Afinal, BD2 conta uma história nova, sem ligações com Default e Second – pelo menos não diretas. Bravely lembra muito os primórdios da série Final Fantasy, com quatros personagens em busca de quatro cristais para salvar o mundo. Os Heroes of Light (Heróis da Luz). Mesmo assim, apesar das semelhanças, são dois jogos bem diferentes.

O jogo mantém a mesma fórmula dos antecessores para Nintendo 3DS (Bravely Default e Bravely Second). Mas, ainda há excelentes melhorias e novidades que fazem Bravely Default II um jogo magnífico para o Switch. Então, se você já viu a série, saiba que lerá aqui algumas coisas que já conhece. De qualquer forma, segue comigo que vai ser bacana.

BravelyDefault II é um jogo de RPG de combate por turno com uma mecânica estratégica diferente. Tradicionalmente, cada personagem pode executar apenas uma ação por turno nesse tipo de jogo. Já em Bravely, é possível adiar a sua ação para acumular Brave Points (BP). Assim, ao custo de BP, poder desferir uma sequência esmagadora de golpes, usar habilidades mais poderosas, ou mesclar suas ações com o uso de ítens. Caso você já tenha visto ou jogado Octopath Traveler, a sua pulguinha atrás da orelha está certa – é sim a mesma mecânica.

Apesar do jogo se limitar a apenas quatro heróis, isso não torna o combate e até mesmo a progressão dele tediosos. Bravely Default II contém uma grande gama de classes, cada qual com suas peculiaridades, vantagens e desvantagens. Elas variam entre defensivas, de ataque, de suporte, magos, e até mesmos seus trajes e a maneira que se portam na luta. Ao longo da jornada, você encontrará certas pedras preciosas que concedem o uso dessas classes. São as Asterisks, obtidas ao derrotar seus respectivos portadores. Há um total de 23 Asterisks utilizáveis no jogo.

Cada classe tem seu próprio leque de habilidades e passivas, e também interferem nos atributos dos personagens. Por exemplo: uma classe defensiva lhe dará um aumento em HP e defesa, possivelmente em troca de uma redução em velocidade; Enquanto que uma classe de mago aumentará o dano mágico do personagem, ao custo de um menor poder defensivo. Claro que isso foi só uma explicação simplificada. Os heróis têm vários atributos que sofrem pequenas e grandes modificações dependendo da classe escolhida, deixando-as ainda mais únicas. Vale ressaltar que é possível escolher uma classe principal e uma secundária para cada boneco. A segunda classe, no entanto, não mudará os atributos do personagem, mas lhe dará acesso às habilidades dela.

Infelizmente, evoluir o nível dos personagens e das classes apenas por combate é beeeeeem demorado. Mas, Bravely Default II nos oferece alguns recursos que ajudam na progressão dos personagens de maneira mais rápida e eficiente. Assim, mesmo que você não goste daquele grinding excessivo, ou não tenha muito tempo hábil para jogar, ainda poderá evoluir os heróis e aproveitar o jogo a sua maneira.

Dentre esses recursos, temos alguns ítens de aumento de experiência e de JP (Job Points) – as orbes. Há também um bônus de combate chamado “underdog”, que aumenta a experiência ganha caso o personagem ou classe esteja muito abaixo do nível dos inimigos. Um terceiro recurso, e também uma dica de ouro, são duas habilidades passivas da classe Freelancer que aumentam a quantidade de JP ganho em até 1.7 vezes (se estiver com ambas equipadas). Iniciar combates com mais de um monstro próximos um do outro, causará uma cadeia de lutas, aumentando o JP ganho a cada combate. E para fechar o pacote, Bravely Default II traz uma novidade que não só o ajudará a evoluir os bonecos, como também a obter mais ítens. É um sistema de navegação.

Com a navegação você enviará uma equipe para explorar os mares, que trará alguns tesouros de suas aventuras. A exploração pode durar até 12 horas, e ela corre somente com o jogo em uso e o video game em Sleep Mode. O próprio jogo recomenda que você use essa funcionalidade quando for dormir ou precisar sair. Esse sistema também faz uso de conexão com a internet, mas não é obrigatório. Ativar a conexão só lhe dará melhores resultados de diferente (conforme explicado no tutorial). Enviar uma equipe para explorar os mares é uma ótima forma de obter dinheiro e ítens enquanto não estiver jogando, em principal as tais orbes de experiência.

Um outro diferencial que Bravely Default II traz para a série é a adição de NPC’s para o seu grupo. Em certos momentos da história, algum NPC irá se juntar ao time dos heróis. Ele então o acompanhará na sua aventura. Porém, em combate eles agirão sozinhos, não sob seu controle. Assim, também respeitando os turnos de cada personagem, o NPC ajudará o jogador atacando os inimigos ou dando suporte ao time, dependendo da decisão que tomar.

O jogo tem vários detalhezinhos na gameplay que poderia virar um artigo próprio se fosse falar de tudo. Mas, nada de pânico. BD2 se destaca dos antecessores em mais esse ponto. Ele é recheado de tutoriais e explicações, para você aprender direitinho como funciona o jogo e poder tirar o melhor proveito.

Bravely Default II tem um bom leque de configurações. A princípio, ele torna as coisas um pouco fáceis ao sinalizar com um ícone na tela onde é o seu destino da história ou das missões paralelas. Mas se você quiser ter uma experiência mais exploratória, ou voltar ao modelo clássico de RPG (quando você tinha que “adivinhar” para onde ir), é possível desativar esses sinalizadores nas opções. Outra questão, sendo Bravely um jogo de combate em turnos, é certo que terão momentos em que você não estará com paciência para esperar cada boneco agir… Mas calma. Saiba que é possível aumentar a velocidade do jogo durante combate em até 4 vezes. Outra configuração acessível é a de dificuldade, permitindo que desfrute do jogo como melhor preferir a qualquer momento. Enfim, há vários detalhezinhos que merecem atenção nas opções, então lembre-se de dar uma conferida.

Dentro do quesito de visuais e áudio, Bravely Default II consegue entrega uma obra de arte! A dublagem é finíssima. Ao que pude perceber, na dublagem em inglês, os personagens têm sotaques e formas de falar bastante característicos ao tipo de personalidade de cada um. Fica até bonito de ouvir (menos você, Elvis.. Desculpe. Você fala estranho.) Quanto a isso, uma pequena curiosidade para você que pretende adquirir o jogo: note que os personagens têm o sotaque mais voltado para o britânico; Com exceção do Seth, o protagonista, que foi encontrado desacordado na praia. Apenas um detalhe? Ou foi proposital com a história? 😉

Mas nem tudo é um mar de rosas. Apesar do trabalho de vozes dos atores ser lindo, em alguns momentos a atuação deixa um pouco a desejar. Um exemplo seria  quando Seth diz: “Espere!”; com a mesma empolgação como se dissesse: “Comi jiló e não gostei.”

O enredo musical atende aos clássicos que se pode encontrar em jogos como Final Fantasy, Kingdom Hearts, Chrono Trigger, entre outros clássicos. Então, se você for familiarizado com eles, já sabe muito bem o que esperar e que não ficará desapontado. A trilha sonora apresenta a cena de maneira espetacular, trazendo harmonia e qualidade ao momento. É o tipo de soundtrack que você talvez quererá ouvir mesmo quando não estiver jogando… Talvez enquanto trabalha, por exemplo, ou à toa em casa.

O jogo também traz um visual clean e bonito. Segue o mesmo estilo de arte dos jogos anteriores. Mas, aqui é mais do que claro a evolução na qualidade. Os modelos 3D dos personagens, em estilo chibi, se mantém. Porém, em Bravely Default II eles estão num nível admirável! Com uma ótima qualidade na modelagem e o capricho dos detalhes. Os trajes das classes são lindos. Ficando até bem difícil escolher entre eles qual seria o melhor. Cada qual, também, com seus detalhes que definem muito bem a característica da classe.

Com uma paisagem artística belíssima, desenhada, como se fosse uma pintura em quadro. Definitivamente, Bravely Default II é um colírio para os olhos.

Claro que, apesar desse buff de qualidade, ainda há uma coisinha aqui e ali. Pequenos detalhes não tão relevantes, mas que valem ressaltar. É possível notar um pequeno serrilhamento no contorno dos personagens, principalmente quando estão mais afastados da câmera. Isso se dá porque uma melhor qualidade na tecnologia de “anti-alising” requer mais poder de processamento. Algumas texturas do cenário também apresentam um aspecto de “pixel estourado” quando muito próximas da tela.

Novamente, detalhes que você só vai reparar se ficar parado procurando por isso. No mais, você ficará muito mais vislumbrante pelas belezas do que pelas falhas.

Um ponto que a série Bravely não me agrada muito é quando vemos cutscenes de diálogos ou monólogos dos vilões, por vezes em momentos completamente aleatórios. Eu sei que muitos RPG’s fazem isso. Mas, Bravely Default erra em que algumas dessas cutscenes acabam sendo pequenos spoilers. Spoilers bobos, do tipo que você já sabia por causa de outro evento da história. Também não revelam nada de crucial. Ainda assim, é meio inconveniente do nada você assistir um vilão planejando alguma coisa só porque você irá enfrentá-lo daqui a pouco. É como se o jogo meio que te preparasse, dizendo: “Olha, é esse cara aqui que você vai ter que bater agora.”

Assim… É um visão pessoal. Até porque, felizmente, isso não impacta nas surpresas que a história guarda. E o quão bem desenvolvida ela é. Ao final do que seria o prólogo, por exemplo, eu fiquei deveras boquiaberto. Foi quando pensei: “AGORA o jogo vai começar.”

Bravely Default II possui a versão demo na eShop, caso você queira testar e ver como ele funciona. Eu joguei ambos os demos – o primeiro e a versão final – e posso dizer que a experiência de jogar o JOGO é muito melhor.

Nota: 5/5