Resenha | O Ladrão de Crianças

0
323

” Tudo tem seu preço. Tudo. Algumas coisas apenas custam mais que outras.”

 

A Benvirá selo da Saraiva, trás O Ladrão de Crianças de Gerald Brom.  Um livro não recomendado para as crianças.

 

 

O ladrão. Nas sombras se escondia o garoto de olhos dourados com seu sorriso macabro e contagiante ao mesmo tempo. Sua busca era por pobre almas desesperadas, perdidas, molestadas pelo ódio do homem. Isso não é um historia para crianças, nem tão pouco um conto mágico de alegrias e sim de uma busca implacável por sobrevivência entre sangue, demônios e lagrimas.

Como movimentos rápidos e fluidos, o menino entra no quarto de mais uma vitima, interrompendo o que seria uma estupro constante por seu próprio pai. Um salvador, ele até poderia ser naquele momento, ele precisa conquistar a confiança deles antes de ao estender a mão e conduzi-los por dentre a névoa até Avalon. E este caminho que deveria ser feito por livre e espontânea vontade. Contra todos os seus instintos a pobre menina abusada com sua camisola fina, segue o menino de cabelos vermelhos de olhos penetrantes chamado Peter.

Pelas ruas de Nova York, Peter busca mais um sangue novo. Ele está ficando sem tempo, os diabos precisam crescer. Ele precisa de mais crianças, agora. Nick é um rapaz esguio, cheio de angustias e ódio, depois que perdeu seu pai, foi morar com avó e sua mãe, que cedeu a casa para inquilinos como Marko. Um traficante de meia tigela que tem prazer em torturar Nick. Então fugir parece um boa ideia se tudo não tivesse dado errado, mas Peter novamente salva o dia, ou pelo é isso que ele quer todos pensem. Ele gosta de brincar, mas evita matar na frente das crianças no primeiro momento. Elas precisam acreditar.

Apesar de Nick ser velho demais para o que o Peter precisa, ele arrisca. Ele oferece liberdade, Nick não acredita no que vê de primeira mas não tem escolha e Peter apesar de sombrio parece irresistível. Assim, toda a historia começa a se desenrolar e Avalon é revelada a Nick, mas o caminho até lá não foi tão bonito quanto as palavras do menino de olhos dourado. Crânios, grunhidos, corpos de homens de todas as eras, gritos que vinham por todos os lados, uma mulher de curvas sinuosas com um vestido transparecendo sua nudez chamando para o paraíso, da morte, ao lado de suas filhas. Isso era a Névoa. É Ginny Greenteetch, que tem seu próprio proposito em Avalon e Nick passou por ela ao lado de Peter.

Avalon. A ilha de ouro, o mundo mágico que agora cai aos pedaços em pura escuridão dominada por comedores de carne e suas cruzes. Homens cadavéricos, que chegaram em seus navios prontos para matar tudo a sua frente. Lá em um dos cantos da floresta da ilha, Nick passa por um ritual dentre os diabos, se tornando um sangue novo. Mas existe uma escuridão maior ainda dentro dele. Existem crianças de todos os tempos e tipos, historias de abusos, drogas que fariam você chorar em posição fetal por meses. Todos salvos por Peter. Prontos para morrer por ele, mas Nick, não, ele fará parte dessa historia de outra maneira.

Origem. Peter vagueá pelo passado e pelo presente. Lembrando de sua própria lamentável historia, nem homem, nem elfo. Desconhecendo sua verdadeira origem, amaldiçoado com a eternidade. Um demônio de orelhas pontudas que apenas quer brincar. Assim conhecemos todo o inicio da trama e as razoes pelas quais Peter se tornou um ladrão de crianças. Frente a uma sangrenta guerra, nos deparamos com cenas desagradáveis com grandes doses de sadismo. Em ricos detalhes conhecemos Avalon e cada ser que está ligado a Dama Modron. Enclausurada no santuário protegida pelo filho do Senhor de Chifres. Qual odeia de forma descomunal Peter.

Tudo está conectado. Avalon perece por causa da invasão dos comedores de carne. Suas crenças levam a crer que todos são filhos do diabo, investindo duro e avançando por Avalon para matar a Dama que mantem a névoa que separa os dois mundos, irmã da Bruxa Ginny Greenteetch, Filhas de Avallach, que todos creem ser a própria Avalon. Assim Peter reúne seus diabos para lutar pela Dama Modron, mesmo contra todos os improváveis empecilhos, crianças se tornam verdadeiros assassinos, ágeis que uivam ao olhar de Peter. Seu infame salvador. Conforme a guerra se inicia é contado a origem dos comedores de carne, demônios em forma de homens, arrastando a desgraça pelos seres mágicos. Uma investida é feita e no meio está Nick que se torna hábil, parece que a magia do lugar está o deixando forte e ele luta ao lados de outros do clã dos diabos. Mas sua verdadeira intenção é voltar pra casa. Sua verdadeira Casa e ele fará de tudo para chegar lá. Todos estão conectados de alguma forma e Peter irá liderar essa frente levando em seus braços os corpos de quem se opuser a ele.

Os dois mundos. Cenas minuciosas e estonteantes enriquecem a historia, magiá, crenças, homens, demônios, bruxas, elfos e todos os outros seres se unem nessa batalha. O terror é parte do brilho de cada golpe dado enquanto o sangue marca o chão. O destino de Avalon será traçado por Peter em cenas finais brutais que escondem muito mais que apenas ódio, mas a verdadeira face do homem que há muito perdeu a magia em seu coração.

Inspirado no original de Peter Pan escrito por James Barrien (“Peter Pan e Wendy”), Brom cria um arrebatador triller que envolve drama, assassinato, suspense e fantasia com elementos do folclore irlandês e escocês. O livro divido em cinco partes, foca essencialmente em dissolver cada angulo contado dessa historia, trazendo a tona a origem da guerra envolvendo os comedores de carne e Avalon, contando também cada traço da verdadeira historia de Peter.A historia é longa mas nem um pouco cansativa a ponto do leitor nem perceber o termino da leitura, que é uma maravilhosa combinação de horror e fantasia. Batalhas, cenários, ilustrações do próprio autor em uma estilo sombrio em cada inicio de capitulo e personagens secundários inflamam o enredo bem estruturado. De linguagem informal o livro não dispensa palavrões e obscenidades. Ao final, se sobrar um pouco de folego, você pode ler uma nota do autor ou um ode a Peter pan com alguns agradecimentos finais. Você irá amar e odiar cada personagem viajando pelos dois mundos e ao final, escolher a qual deles você quer pertencer.

 

Editora: Benvirá
Tradução: Santiago Nazarian
Título Original: The Child Thief
Gênero: ficção americana
Páginas: 426