Crítica | Guardiões da Galáxia Vol. 2 é hilário e empolgante mas peca em repetir a fórmula
24.04
2017
Crítica | Guardiões da Galáxia Vol. 2 é hilário e empolgante mas peca em repetir a fórmula

A Marvel Studios está trazendo para o Brasil ainda nesta semana (27) a continuação da aventura épica da equipe mais divertida de toda a galáxia, com o Senhor das Estrelas (Chris Pratt) líder da equipe composta por Gamora (Zoe Saldaña), Drax (Dave Bautista), Rocket (Bradley Cooper) e o fofinho do Baby Groot (Vin Diesel).

 

Sinopse:

Com a Awesome Mixtape #2 como trilha, Guardiões da Galáxia 2 continua as aventuras do time, enquanto atravessam os confins do cosmos. Os Guardiões devem lutar para manter sua nova família unida, enquanto tentam desvendar os mistérios da verdadeira paternidade de Peter Quill. Antigos inimigos se tornam novos aliados e personagens favoritos dos fãs dos quadrinhos clássicos vão ajudar os heróis, enquanto o Universo Cinematográfico Marvel continua a se expandir.”

 

Guardiões da Galáxia Vol. 2 é basicamente sobre diferentes tipos de família e no quanto isso molda o caráter da pessoa com o decorrer dos anos. Senhor das Estrelas (Chris Pratt) embora tenha se tornado líder da equipe, ainda não consegue controlar os ânimos dos integrantes, o que ocasiona problemas que com o tempo podem ser agravados e se tornar algo terrível, que é a separação. Esses problemas são superados no decorrer do filme e podemos ver aonde tudo aquilo poderia chegar. Yondu (Michael Rooker) é um grande exemplo disso, seu personagem sofre devido as suas escolhas pessoais e não consegue clarear as decisões que ele toma para sua equipe, causando assim uma ruptura no relacionamento entre eles.

O grande problema de Guardiões da Galáxia Vol. 2 é o roteiro nitidamente repetido do filme, que é praticamente o mesmo do seu filme anterior. A impressão que fica é que você está vendo a mesma história, só que com personagens um pouco diferentes. Mesmo assim ele consegue se livrar das correntes do roteiro do filme chegando no seu terceiro ato, mostrando um grau um pouco mais elevado de sua dramaticidade e causando um grande impacto final. Mesmo com todos esses conceitos de família e relacionamentos o filme é basicamente piada atrás de piada, com momentos hilários, principalmente quando eles vão atravessar uma enorme distância da galáxia, que é uma das cenas mais engraçadas que a Marvel já produziu ao longo dos anos.

James Gunn soube trabalhar num roteiro onde várias referências são mostradas dos anos 80, época em que Peter Quill/Senhor das Estrelas foi abduzido por Yondu. Há enormes referências de filmes e séries dessa época. Além disso temos Drax que com seu jeito estranho de ser, levando tudo ao pé da letra, consegue se diferenciar dos outros pelo seu humor puro e a sua inocência no jogo de palavras.

Baby Groot é um personagem completamente diferente do que vimos no primeiro filme, dessa vez ele é um bebê muito fofinho que ama viver no meio da equipe. Ele está na trama dessa vez para cativar o público mesmo tendo uma insignificância para o roteiro. Assim como Drax (Dave Bautista) que pouco é abordado na trama. Mas seus personagens são usados como escape cômico para que qualquer drama profundo logo seja abafado e para mostrar que o público não deve se preocupar, esse é um filme da Marvel.

O relacionamento de Gamora e Nebula é um ponto bastante interessante abordado no filme, porque mostra o relacionamento de irmãs que foram por caminhos diferentes, porém com o mesmo objetivo. Mesmo com o mal tratamento de Thanos com suas filhas em todo aquele ambiente hostil, houve um amor entre as duas que é colocado como peça chave para que elas possam se entender finalmente.

O desenrolar da história é bastante empolgante e muito revelador, tornando esse universo que a Marvel está construindo no cinema ainda mais abrangente. Muitas pontas soltas são deixadas e algumas aparições mostram que a Marvel pode abordar muitas outras histórias, sem focar na trama Thanos vs Vingadores.

Porém essa abrangência que traz Guardiões da Galáxia Vol. 2 se torna um problema, pois a ponte que esperávamos para Guerra Infinita não é mostrada e a impressão que fica é que essa é uma aventura que não causa impacto no universo núcleo criado pela Marvel.

Uma coisa que chamou muita atenção no primeiro filme era a qualidade do CGI utilizado no filme e na sua segunda parcela, as camadas usadas e as novas criaturas que encontramos ao longo da jornada mostra que aquela qualidade do primeiro foi superada. Uma das cenas que mais impressionam, é o visual do Planeta Vivo “EGO” em sua forma planetária muito parecida com os quadrinhos. Além disso as batalhas no espaço e as lutas dos Guardiões enchem os olhos com seu visual deslumbrante e imersivo.

Quem realmente leva todo o carisma do filme é o pai de Peter Quill, “Ego o Planeta Vivo”. Kurt Russel se coloca no papel e logo de início se apresenta como “Ser Celestial”. Russel além de fazer referências a seus filmes de maiores sucessos é crucial na trama de uma forma genial eles conseguiram implementar toda a trajetória do ator para que fizesse sentido na história.

A trilha sonora é basicamente o que move nossos heróis pela galáxia, onde ela se encaixa perfeitamente nas cenas e dão um brilho a mais em tudo o que foi criado. Mesmo com músicas pouco conhecidas do público se compararmos ao primeiro filme, ela traz aquele tom de nostalgia de uma época movida também pelas músicas.

Ayesha é uma das vilãs do filme, porém ainda é um mistério o impacto que pode ser causado sendo ela a rainha de um planeta em que sua raça busca perfeição, só isso já é o suficiente para os fãs da Marvel se prepararem para o que vem pela frente. Para quem não está habituado com esse universo, ela dá o pontapé inicial para o início de um importante personagem para a grande batalha com Thanos.

 

Conclusão

 

Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um filme completamente pirado, onde a trama te leva para um ponto um pouco mais dramático que seu primeiro filme, mesmo que o roteiro seja bastante parecido. É definitivamente o filme mais divertido da Marvel, com suas piadas algumas vezes mal colocadas, mas o excesso delas fará você esquecer tais falhas. Os efeitos visuais são impressionantes e sua falta de compromisso te fará ainda mais satisfeito com o filme. Ele não cria um impacto no universo da Marvel porém apresenta alternativas futuras.

Nota: 8

Guardiões da Galáxia Vol. 2 chega aos cinemas em 27 de Abril de 2017.

Primeiro Batman antes de Bruce Wayne. Extrovertido e sem graça. Uma mistura de piadas ruins e clichês, e um senso de humor gigante para rir delas. Editor chefe do GeekSaw. Apaixonado pela “Bigscreen” e por tudo que é novidade.


GeekSaw • www.geeksaw.com.br
Tema por Gabriela Gomes