Review – Shape of the world

0
20

Hollow Tree Games, localizada em Vancouver, depois de longos três anos de Kickstarter e muito trabalho, nos apresentou um jogo com uma proposta completamente diferente, Shape of The World, um jogo de exploração em primeira pessoa um tanto quanto peculiar, está disponível para compra na Eshop do Nintendo Switch.

 

 

Uma viagem relaxante por um mundo esquisito, é essa a sensação que tive com a experiência desse curto jogo, todo o ambiente em Shape of The World reage de forma dinâmica ao seu redor conforme você avança.

O principal objetivo do jogo é alcançar placas triangulares que estão em um determinado ponto do mapa, ao alcançar essas placas e passar por elas, acontece uma variação maluca do mundo em que esta, com paleta de cores diferentes e algumas criaturas bizarras. O engraçado é que as paletas de cores me lembraram de alguns jogos, como o Journey por exemplo.

 

 

 

Algo a ser dito é sobre a trilha sonora, a música relaxante te ajuda a passear pelos mundos coloridos de Shape of the World.

As placas que já citamos, também funcionam como navegadores e serão a sua unica referência no mapa indicando o caminho a seguir. Em toda fase você ira passar por pequenos puzzles, para a próxima fase, em outros casos ao interagir com uma unica rocha, ira surgir para você uma escada que te levará até o próximo nível.

Interagir com o cenário pode acabar resultando em uma variação de cenário, fazendo surgir novas criaturas, o jogo ainda concede alguns itens que lembram sementes, que você pode simplesmente sair plantando pelo cenário e ver arvores gigantescas surgirem do solo.

O jogo trabalha para que se siga em frente de forma direta e linear, dificilmente você perderá o foco tentando explorar ainda mais o cenário, por mais bonito que seja ele não oferece nada mais que isso. Talvez a única coisa que incentive a exploração do mapa seja os itens colecionáveis que por sinal são bem poucos.

A limitação de interação deixa o jogo um pouco monótono, afinal, ficar jogando sementes e interagindo com pedras, em um cenário que esta mudando, é superficial demais para entregar uma experiência mais profunda.

Outro ponto relevante é que a falta de propósito do jogo nunca é totalmente explicada ou justificada. Mesmo após os créditos ainda fiquei pensando, porque estou aqui? Porque eu fiquei jogando sementes pelo cenário? Qual o motivo disso tudo?

Talvez não tenha nenhum mesmo…

Conclusão

Shape of the World talvez seja somente uma fuga bonita da realidade, um mundo cheio de uma ambientação abstrata, criaturas bizarras com um único propósito de serem observadas.

Ainda senti certo tom de preguiça, com o fato de não ter nenhuma explicação do motivo pelo qual estamos jogando, o que deixou um buraco bem grande.

Nota: 6