Stephen King diz que o Oscar é “manipulado em favor dos brancos”

0
602
Mandatory Credit: Photo by Evan Agostini/Invision/AP/Shutterstock (9689901an) PEN America literary service award recipient Stephen King 2018 PEN Literary Gala, New York, USA - 22 May 2018

O romancista esclarece comentários controversos sobre diversidade, reconhecendo que, embora em um mundo perfeito “os julgamentos de excelência criativa devam ser cegos”, ainda não estamos lá.

 

Stephen King retomou seus comentários controversos sobre a diversidade no Oscar, reconhecendo em um longo ensaio que os prêmios ainda são “fraudados em favor dos brancos”.

King provocou raiva entre autores e fãs depois de twittar no início deste mês que ele “nunca consideraria a diversidade em questões de arte. Apenas qualidade. Parece-me que fazer o contrário seria errado.” King é capaz de nomear filmes em três categorias do Oscar – melhor filme, roteiro adaptado e roteiro original – e comentava sobre a falta de reconhecimento de mulheres e artistas de cor nas indicações ao Oscar do ano.

“Droga, Stephen. Droga. Pensei que você fosse melhor do que isso”, disse o premiado escritor de ficção científica norte-americano NK Jemisin. “Deveria ser óbvio que diversidade e qualidade não são qualidades separadas, ou se opõem – exceto nas mentes dos fanáticos”. A escritora Roxane Gay concordou. “Como fã, é doloroso ler isso de você”, disse ela a King. “Isso implica que diversidade e qualidade não podem ser sinônimas. Eles não são coisas separadas. A qualidade está em toda parte, mas a maioria dos setores acredita apenas na qualidade de um grupo demográfico. E agora, aqui está você.”

King esclareceu posteriormente seus comentários no Twitter, acrescentando: “A coisa mais importante que podemos fazer como artistas e pessoas criativas é garantir que todos tenham a mesma chance, independentemente de sexo, cor ou orientação. No momento, essas pessoas estão sub-representadas, e não apenas nas artes. Você não pode ganhar prêmios se ficar de fora do jogo. ”

O romancista de terror mais vendido já escreveu um ensaio para o Washington Post, no qual afirmou que, após seus comentários, havia se encontrado “na versão de mídia social das ações e sujeito a uma enxurrada de nabos e repolhos eletrônicos”.

King disse que acreditava erroneamente que sua afirmação sobre diversidade em questões de arte era “incontroversa”, escrevendo: “Eu também disse, em essência, que aqueles que julgam a excelência criativa devem ser cegos para questões de raça, gênero ou orientação sexual. Não disse que era o caso hoje, porque nada poderia estar mais longe da verdade. Também não disse que filmes, romances, peças de teatro e música com foco na diversidade e / ou desigualdade não podem ser obras de gênio criativo. Eles podem ser, e muitas vezes são.”

Ele apontou em particular a minissérie Netflix da Ava DuVernay em 2019, Olhos Que Condenam. DuVernay havia criticado os comentários originais de King, twittando: “Quando você acorda, medita, estica, alcança seu telefone para verificar o mundo e vê um tweet de alguém que você admira que é tão atrasado e ignorante, você voltar para a cama.”

King escreveu para o Washington Post: “Assim como a justiça, os julgamentos de excelência criativa devem ser cegos. Mas esse seria o caso de um mundo perfeito, em que o jogo não é fraudado a favor dos brancos”, apontando para a composição demográfica dos eleitores do Oscar: 32% de mulheres e 16% de minoritários.

Ele continuou: “Julgar o trabalho de alguém por qualquer outro padrão é um insulto e – pior – prejudica aqueles momentos duramente conquistados em que a excelência de uma fonte diversa é recompensada (contra, ao que parece, todas as probabilidades), deixando esse reconhecimento vulnerável a ser dispensado. como politicamente corretos… Não vivemos nesse mundo perfeito, e as nomeações menos do que diversas do Oscar deste ano mais uma vez o provam. Talvez algum dia nós iremos. Eu posso sonhar, não posso? Afinal, eu faço coisas para ganhar a vida.”

O que você acha dessa declaração de Stephen King? Deixe seus pensamentos nos comentários!